Tens o sonho de fazer algo diferente com a tua vida mas parece-te impossível? Percebo-te bem! Por vezes o empreendedorismo parece impossível mas a verdade é que é bastante simples e eu vou mostrar-te como. Ao longo das próximas linhas, vais descobrir como podes ganhar dinheiro com a tua rotina, independentemente da tua realidade. Vamos falar sobre os diferentes tipos de negócio que podes começar hoje mesmo e quais as vantagens de cada um.

Como funciona um negócio de marca pessoal?

Este é o tipo de negócio mais fácil de criar! Podes começar sem qualquer investimento inicial, hoje mesmo e, acima de tudo, nem precisas de ter competências excepcionais. Por ser tão simples, desperta na grande maioria das Empresárias, um certo síndrome de impostor. Ou seja: a ideia de que somos uma fraude e não merecemos ter sucesso por vendermos este produto ou serviço. Ou seja: é tão simples que se torna complicado. (irónico, certo?)

Bem, de qualquer forma, o negócio de marca pessoal é o negócio que te permite vender o que mais gostas, o que melhor fazes ou o que mais sabes. Tens três opções distintas:

  • podes revender produtos dos quais gostes,
  • podes criar produtos rentabilizando as tuas competências ou
  • podes prestar serviços ou vender conhecimentos, consoante o caso.

O negócio de marca pessoal, parte da premissa que cada um de nós é especialista numa determinada área e que, rentabilizada, será útil a quem nos rodeia. Não se trata de começar um negócio de marca pessoal para ficares milionária. Trata-se de começar um negócio de marca pessoal para poderes ter mais dinheiro, enquanto és útil aos outros e te realizas enquanto pessoa. Sim, porque todos ganhamos: tu ganhas porque vendes algo que te faz sentido e eu ganho porque compro algo que me é útil e me foi trazido por alguém que sabe muito sobre o assunto.

Sobre a venda de produtos, podes ver mais aqui.

Sobre a venda de serviços, podes saber mais aqui.

Continuando a rentabilizar a tua rotina:

O mais importante é descobrires o que de mais valioso tens na tua rotina, neste momento. Pode ser um conhecimento sobre alguma loja, técnica ou truque. Pode ser uma experiência ou competência adquirida… a verdade é que nós somos o resultados de anos e anos de experiência, certo? Todos começamos no mesmo ponto de partida, mas vamos fazendo escolhas que nos vão distinguido. Algumas escolhas parecem irrelevantes, mas fazem a diferença. Por exemplo: se gostas muito de ler livros de desenvolvimento pessoal e a tua irmã gosta de ver séries de acção, estão a aprender coisas diferentes. Mesma casa, mesmos pais, escolhas diferentes, resultados diferentes. 

Se reparares, todo o teu dinheiro é investido no resultado de escolhas diferentes de especialistas. Por exemplo:

  • o café que bebeste – plantado, colhido, tratado, distribuído e servido por alguém
  • as calças que compraste – tecido fabricado, cores quimicamente criadas, moldes fabricados, costuras feitas…

Cada vez que pesquisas algo como “tirar uma nódoa” ou “como colocar corrector de olheiras”, estás a procurar a especialização de outra pessoa. Quero com isto recordar-te que por “especialização”, não estamos a referir-nos a grandes inovações. Falo-te portanto, de algo que fazes bem e podes vender, fazer ou ensinar e receber por isso.

As nossas crenças limitadoras impedem-nos de começar o nosso negócio de marca pessoal.

Acreditamos que temos de ser geniais a fazer algo, mas isso não é verdade. Esta é a

base essencial de um bom negócio de marca pessoal: valorizares o que de melhor sabes, fazes ou conheces

Quando o descobrimos, o negócio de marca pessoal é tão natural e fluído que nos permite ganhar nos intervalos da nossa vida. Mesmo quando estamos com uma vida do avesso, podemos estar a construir a nossa liberdade financeira e emocional. (Porque não há melhor do que sentirmos que somos livres para escolhermos o que nos é importante, certo?) Temos de garantir duas coisas:

  1. que nos valorizamos
  2. que não nos comparamos

Então, queres ver como podes construir o teu negócio de marca pessoal?

  1. descobre a tua marca pessoal
  2. comunica abertamente o teu valor
  3. apresenta a solução que encontraste

Vamos ver cada tópico?

Descobre a tua marca pessoal

Falamos mais detalhadamente sobre este tema noutros artigos e aulas mas, resumindo, descobre o que te distingue. Os teus gostos, a tua perspectiva, os teus valores, aquilo em que acreditas… tudo isso te torna única. As palavras-chave que usas e que usam para te definirem, são a tua marca pessoal. A tua marca pessoal é o que te distingue e o que deves usar para garantires que és facilmente identificável.

Uma boa forma de descobrires como podes distinguir-te é reparares aquilo para que te recomendam ou que te pedem ajuda. Repara em aspectos como:

  • perguntam-te onde compras determinado tipo de artigos?
  • pedem-te que expliques como fazes certas coisas?
  • pedem-te ajuda para fazeres algo?

E além disso, que elogios te fazem?

(Eu não sou particularmente fã desta ferramenta porque as pessoas elogiam aquilo que reconhecem. Ora, alguém que tem o seu foco no negativo, tem mais tendência para criticar do que para elogiar. De qualquer forma, seria sempre permitir que a perspectiva de outros defini-se o nosso valor. Portanto, recomendo-te que uses esta avaliação quando tiver origem em pessoas com características específicas. Nomeadamente: pessoas felizes, realizadas, bem-dispostas, respeitadoras… enfim… pessoas que admires)

Comunica abertamente o teu valor

Não se trata de te exibires. Antes pelo contrário. Trata-se de comunicares com naturalidade o teu valor. Responde genuinamente a uma pergunta: se eu te perguntar qual é o restaurante que me recomendas na tua zona, tu sabes responder? E consegues fundamentar? E sentes-te envergonhada por o fazeres? Exacto! Está aqui a questão: elogiar o trabalho alheio, é simples. Natural. Quando se trata de nos valorizarmos, tornamo-nos tímidas.

Podes ser humilde sem seres fraca. Podes ser modesta sem seres tonta. O que não podes ser é forte, a menos que reconheças naturalmente o teu valor. A minha avó dizia muitas vezes:

modéstia a mais, é vaidade.

Na altura, não percebia esta frase. Mas hoje, reconheço que faz todo o sentido. Modéstia a mais é pôr os outros a fazerem o nosso trabalho: reconhecerem o nosso valor. Como se fôssemos o centro do universo. Claro que nunca vais valer mais do que outro ser humano. O teu valor é igual, apenas o motivo é diferente. És a melhor na tua especialização. Apenas isso. Assim como és dependente dos teus semelhantes nas suas especializações. Quando lidamos com estes aspectos com naturalidade, torna-se simples comunicar a nossa marca pessoal. O passo seguinte é a consequência natural destes dois:

Partilhar a tua solução.

Seja produto ou serviço, seja feito por ti ou comprado, se assumes a tua especialização, é normal que partilhes a tua solução. É apenas disso que se trata e é por isso que “vender” é tão simples. Não estás a tentar impingir nada que não te faça sentido ou que exista a pontapé. Mesmo quando estás a vender produtos fabricados por outros ou de MLM, a verdade é que estás a partilhar a tua perspectiva única sobre o assunto.

Lembra-te sempre que o Cliente nunca compra o produto ou o serviço. O Cliente compra a transformação que aquele produto ou serviço lhe podem proporcionar. Mesmo uma miserável pastilha elástica pode ser transformadora… na devida proporção ao impacto na nossa vida. Mas pode ser relaxante, refrescante, divertida… Não é um bocado de goma para mascar. É uma transformação. O que tu vais fazer é comunicar com naturalidade essa transformação e demonstrar o seu valor através da tua própria marca pessoal.

Concluindo:

Como podes ver, o negócio tecnicamente mais fácil, é venderes “a tua rotina”. A parte complicada é descobrires o teu valor e o valor da tua rotina. Aliás, é tão complicado que foi por isso mesmo que criei o programa CONCEPT (cria o negócio certo para ti). Lembra-te que tens em ti um valor por rentabilizar. Descobre-o e muda a tua vida.