Ok, primeiro que tudo:

Por que queres manter-te motivada se odeias o teu emprego?

Como sabes, eu própria passei por um emprego que me fazia doer tudo… até a alma e sei em o que é ir a chorar para o emprego.

Quando estamos numa situação como essa, precisamos de perceber antes de mais:

  • Por que motivo queremos aumentar a motivação para estar onde nos custa tanto?
  • Por que motivo não procuramos antes mudar?

É que, se há algo que nos mantém lá “agarrados”…. então esse motivo pode ser a semente de uma nova disposição durante o trabalho.

Vamos ver como?

1- descobre qual é verdadeiramente a raiz do problema

Quando detestamos assim tanto um trabalho, começamos a reparar em tudo o que é mau. Até o mais pequeno detalhe!

Descobre onde e como tudo começou para teres a certeza de que estás a reparar no verdadeiro factor de desconforto.

Por vezes trata-se apenas de uma parte das tuas tarefas, da localização do edifício, uma colega ou uma chefe…

2- planeia o teu futuro

Outro grande factor de desilusão (e consequentemente) desmotivação é a falta de esperança.

Há certos empregos que parecem areia movediça e quanto mais tu te mexes mais presa e sufocada ficas.

A grande questão é que estás a delegar a tua felicidade e esperança a algo que está ali para cumprir um objetivo.

Qual objetivo? Aquele que identificaste na primeira pergunta: por que motivo continuas no emprego? Por que motivo queres aumentar a motivação?

O factor que te faz ficar é a tua motivação a curto prazo e o teu plano a um ano, 3 anos e 5 anos é a tua motivação pessoal que vai levar-te a uma melhor disposição geral.

3 – o que acontece o trabalho, fica no trabalho

Algo muito comum é termos famílias afectadas por um emprego horroroso ou termos casais afastados por causa de um emprego apenas.

Ok, é normal… mas pode ser evitado.

Um pequeno ritual de “limpeza” tem resultados fantásticos.

Cria um pequeno ritual que te ajude a descomprimir de toda a tensão e frustração que possas sentir.

Pode ser uma passagem pela livraria, uma ida ao ginásio, andar um pouco a pé, ir beber um café…

A vida pode ser mais do que apenas trabalho-casa-trabalho!

(e se me vais responder “ah, mas tenho que ir buscar os miúdos à escola”, deixa-me dizer-te que se apanhasses trânsito, se houvesse uma simulação de incêndio no edifício ou qualquer outro imprevisto… tu chegavas ainda mais atrasada e o mundo continuava a fluir! Vale mais chegares bem disposta e fazeres valer aquele tempo do que estares a insistir em algo que deveria saber-te bem mas está condicionado com a bagagem que trazes.

4- Sê a melhor no teu trabalho!

Podes estar a trabalhar num ambiente hostil, podes estar desmotivada ou podes estar triste mesmo… mas se te deixares cair na tentação de procrastinar, adiar ou baixar a qualidade do teu trabalho, só acrescentas mais desvalor a ti mesma.

Repara que, quando fazes algo brutal, sentes-te bem, forte, conquistadora! (Mesmo que ninguém esteja a ver)

Por exemplo: se te sentes em baixo e te veste toda gira, podes não recuperar a 200% mas já te sentes melhor, certo?

Da mesma forma: se trabalhares com brio, recordas que ontem valor mantém-se, o emprego é que não te merece.

5- Encontra um parceiro

Alguém. Até pode ser o pombo que vem roubar as migalhas à janela mas… encontra alguém com quem interajas de forma próxima e à-vontade durante o teu dia.

Ter uma relação de proximidade com alguém, permite-te recomeçar o dia, criar um pequeno intervalo emocional na tensão ou frustração e simplesmente renovar a energia.

Cria uma dinâmica própria com quem quer que seja, algo que te faça desejar que chegue o intervalo, o café, a reunião ou o que seja.

6- Define o teu plano de emergência

Ok, já sabes que detestas o teu trabalho, certo?

Já sabes que esta motivação toda e tal vai acabar algures, certo?

Pois bem… nesses dias, precisas de um plano de emergência!

Uma acção especial e excepcional que te ajude a dar a volta à disposição mesmo que tudo esteja a “cair” à tua volta.

Podem ser acções simples como “ligar à pessoa X”, ir comprar sushi ou ver o filme Y.

Ou podes ir mais além e estipular que “quando tiver um dia infernal faço _____ como sempre desejei”.

A verdade é que um mau dia no trabalho não pode significar um mau dia de vida.

Trabalho é apenas isso: trabalho.

7- Encontra uma paixão

É a paixão que nos move e não a dor. Procuramos prazer e precisamos de o incluir na nossa rotina.

Pode ser um hobbie, um interesse, um hábito, uma poupança para algo grandioso… tem é de te tocar e ajudar a significar cada novo dia.

E que tal? Faz-te sentido?

Até já,

Catarina